Pular para o conteúdo

Luffe

Perguntas Frequentes

Selo 25 anos Luffe

Qualidade e eficiência comprovada em mais de           25 anos de sucesso e profissionalismo.

Veja aqui as Perguntas Frequentes em relação a Garantia, Assistência Técnica e sobre os equipamentos Carregadores Automotivos, Carregadores Tracionarios e os Dessulfatizadores. Clique na aba para tirar suas dúvidas, caso não encontre aqui a sua dúvida entre em contato pelo telefone (51) 3318-7074 ou Whatsapp (51) 98214-3335.

Garantia e assistência técnica

Sim, os produtos das linhas Profissional, Automática, MaxxiShock e Eco Supremo possuem 1 ano de garantia, com exceção dos: Auxiliar de partida SOS (código 88), LTE 12V 06A (código 80), PX 24V 20A (código 93) e LE 12V 15A (código 79) que tem 6 meses de garantia.

Clique aqui, selecione o assunto “Assistência Técnica” no formulário, preencha-o com os seus dados e envie.

Os produtos Luffe tem baixíssimo índice de defeitos, por isso a assistência técnica é realizada na própria fábrica, em Porto Alegre.

Clique aqui, selecione o assunto “Assistência Técnica” no formulário, preencha-o com os seus dados e envie.

Carregadores de Baterias Automotivas

Sempre indicamos que sua bateria seja carregada em carga lenta, para que tenha maior durabilidade. Para dimensionar o carregador é necessário calcular 10% do valor nominal da bateria, ou seja, para uma bateria de 50 amperes será necessário um carregador de 5 amperes.

Primeiramente é importante verificar se o carregador está ajustado à tensão da rede elétrica, depois conectar as garras do carregador na bateria (cuidando para não inverter as garras nos polos da bateria vermelho = positivo e preto = negativo), a inversão das garras causa a queima do fusível. 

Com exceção do Carregador Flutuante 1610, que possui disjuntor, neste equipamento somente ocasionará o desarme do disjuntor.

Como estes equipamentos trabalham em flutuação, a corrente diminuirá e a tensão aumentará à medida que a bateria for carregando.

Primeiramente é importante verificar se o carregador está ajustado à tensão da rede, elétrica depois conectar as garras do carregador na bateria cuidando para não inverter as garras nos polos da bateria (vermelho = positivo e preto = negativo), ligar o carregador na chave liga e pelo ajuste de carga posicionar a corrente desejada, você identificará a corrente pelo amperímetro.

O carregador deve ser mantido em local seco e ventilado, assim nessas condições não apresentará problemas e não necessitará de manutenção preventiva.

Se o local for muito úmido pode causar a oxidação de alguns componentes eletrônicos.

Com o objetivo de manutenção preventiva recomenda-se manter o carregador em local seco e ventilado, limpeza das garras e remoção do zinabre.

No caso de manutenção corretiva, você deverá entrar em contato com a Luffe, o seu problema pode ser um simples fusível ou algum componente mais específico.

Se o disjuntor desarmar sem motivo aparente, pode ser que a bateria esteja sulfatada, ou seja, com uma resistência interna muito alta.

Verifique a polaridade e tensão da bateria que está sendo utilizada. A tensão do carregador deve ser compatível com a tensão da bateria.

Para verificar se algum componente eletrônico está com falha, teste o equipamento seguindo as instruções do item 10.

Uma vez que o fusível queimar sem motivo aparente, pode ser que a bateria esteja sulfatada, ou seja, com uma resistência interna muito alta.

Veja a polaridade e tensão da bateria que está sendo utilizada. Tensão do carregador deve ser compatível com a tensão da bateria.

Se o amperímetro não subir na corrente desejada sem motivo aparente, pode ser que a bateria esteja em curto ou sulfatada.

Observe a tensão de rede e chave seletora do equipamento.

Quando o seu carregador contiver disjuntor e o mesmo desarmar ou se contiver fusível e o mesmo queimar significa que algum processo esta ocorrendo de forma errada.

No caso de o seu carregador contiver fusível como proteção do equipamento, retire o suporte do fusível e verifique se está rompido. Se estiver rompido troque-o pelo fusível reserva. No caso de conter disjuntor, arme-o.

Os possíveis motivos do não funcionamento são: A tensão da rede incompatível com a tensão indicada no carregador, encostar uma garra na outra, a bateria estar sulfatada.
Se você realizou o teste e verificou que o carregador está funcionando significa que o problema pode ser em sua bateria.

Ela pode estar com algum vaso rompido e por isso a corrente não passa pelos elementos e não a carrega.

Outra possibilidade é que a bateria pode estar sulfatada, ou seja, o ácido está endurecido nas placas e este modelo de carregador não pode carrega-la. Neste último caso indicamos o uso dos dessulfatadores de baterias.

Primeiramente desligue o carregador da tomada e desconecte as garras da bateria. Verifique se está ajustado na tensão da rede e se houver o disjuntor, desarme-o.

Coloque um multímetro na(s) bateria(s) e verifique a tensão, se estiver acima de 9,5 Volts prossiga os testes.

Se a tensão da bateria estiver abaixo de 9,5 Volts, significa que está muito baixa e você precisa dessulfata-la e não apenas carrega-la.

Estes modelos de carregador não gerarão a tensão necessária para quebrar a resistência interna da bateria.

Ligue o equipamento na rede elétrica e observe se a tensão da bateria aumentar. Se a tensão aumentar o carregador esta funcionando normalmente.

Dessulfatadores de Baterias

Sempre indicamos que sua bateria seja dessulfatada em carga lenta, para que tenha maior durabilidade.

A fim de dimensionar o dessulfatador é necessário calcular 10% do valor nominal da bateria, assim para uma bateria de 80 amperes será necessário um dessulfatador de 8 amperes, o Maxxi Shock F-08.

Os dessulfatadores Maxxi Shock são de fábrica 220 Volts

O ajuste deve ser feito por meio dos disjuntores frontais de ajuste rápido e lento com a corrente desejada conforme marcação no amperímetro.

Também deve ser ajustado o temporizador para o tempo desejado de carga, lembrando que o ideal é de 10 horas em carga lenta.

O principal cuidado para usar o dessulfatador é com relação às garras utilizadas para conectar as baterias, devem ser utilizados cabos e garras isolados devido ao risco de choque elétrico. Nunca coloque outro tipo de garra neste equipamento.

O índice é variável, pois depende do estado de conservação da bateria, temos relatos de diversos clientes que a recuperação chega a 90% das baterias que antes seriam sucateadas.

Sim! O processo de dessulfatação pode ser realizado sempre que a bateria tenha perda de autonomia por sulfatação das placas. Recomendamos que seja feito a cada 6 meses.

Podem ser dessulfatadas até 15 baterias de 12 Volts, 07 baterias de 24 Volts e até 03 baterias de 48 Volts, em série, desde que a soma das tensões da bateria não ultrapassem 220 Volts.

Carregadores de Baterias Tracionárias

Para dimensionar o carregador correto para bateria tracionaria é necessário calcular 17% do valor nominal da bateria, por exemplo, compatível com uma bateria de 285 amperes o carregador deve ser de 50 amperes.

Não. O carregador Eco Supremo está programado de fábrica e não perde a programação, mesmo com queda ou falta de energia elétrica.

O Eco Supremo deve ser mantido em local seco e ventilado, nessas condições não apresentará problemas e não necessitará de manutenção preventiva.

Os Leds indicam o estágio da carga da bateria, indicando que está em carga e variando de 20% a 80%, depois a equalização e a carga completa.

O Eco Supremo faz uma leitura do estado de carga da bateria e a carrega da forma mais “saudável”, ou seja, com carga lenta. Efetuar a carga rápida pode causar danos e processo de sulfatação na bateria, por isso aconselhamos sempre carregar em carga lenta.

Devido ao seu sistema de carga o carregador Eco Supremo é, em média, 41% mais econômico em consumo do que os demais do mercado, pois é tecnologicamente dimensionado para enviar à bateria o que justamente precisa.

Este permite também que as baterias não viciem e durem mais, assim adiando a compra de baterias novas.

Sempre que instalar um novo equipamento, ou mudar o equipamento de local algum já instalado, verifique as condições da tomada de energia, e se a mesma é compatível com a tensão de alimentação e potência do carregador.

Quando necessitar substituir um carregador, tenha certeza de fazer por um outro de mesmas características tanto em corrente como tensão, um carregador mal dimensionado pode danificar a bateria reduzindo sua vida útil.

Sempre instale o carregador em local seco e arejado, fora da ação do sol ou chuva e distante da parede entre 10 cm e 15 cm, nunca deixe os orifícios de ventilação ou ventiladores obstruídos, isto pode diminuir a vida útil do equipamento devido ao excesso de calor.

Instalar em local adequado, pois o mesmo pode ser atropelado e amassado por empilhadeiras ou carrinhos. Não instale próximo de armazenamento de papéis, papelão ou material inflamável.

É indispensável à leitura dos manuais de funcionamento dos carregadores, pois cada equipamento tem características distintas, mas no geral sempre possuem um ciclo de carga parecido, e procuram atender as necessidades requeridas pelos fabricantes de baterias.

Nunca se deve alterar os ajustes feitos pelo fabricante do carregador, sem conhecimento ou auxilio do departamento técnico do mesmo, pois uma vez desajustado, o equipamento pode não carregar a bateria de forma correta ou até mesmo danificá-la.

Não jogar o conector no chão, isto pode provocar a quebra.

Cabos e conectores devem ficar alojados adequadamente, e nunca no caminho de empilhadeiras ou carrinhos que podem passar por cima quebrando ou provocando curto-circuito.

É comum, os cabos de saídas do carregador se deteriorarem com o tempo, faça revisões periódicas nos mesmos, evitando possíveis curtos circuitos devido ao “descascamento” dos mesmos.

Verifique sempre se o conector de saída não está oxidado e/ou com mau contato. Uma maneira simples de se constatar isto, é verificar se quando o carregador está carregando a bateria, as extremidades dos cabos próximo ao conector não estão super aquecidas, o mau contato causa aquecimento em excesso.

Deve ser feita limpeza externa sempre que necessário, utilizando pano seco. Caso for necessário utilizar pano úmido, desligue o carregador da tomada.

Faça uma limpeza interna com ar comprimido, pelo menos uma vez ao ano, tomando cuidado para não provocar o desligamento da fiação ou de componentes internos.

Os defeitos apresentados a seguir, são os mais comuns nos diversos tipos de carregadores e os mais fáceis de serem detectados pelo usuário, devido a maneira como se apresentam nos equipamentos.

1. Carregador não liga

  • • Fusível de entrada pode estar queimado.
  • • Mau contato na tomada.
  • • Falta de energia na tomada de alimentação.
  • • Defeito ou falta de bateria a ser carregada
  • • Polaridade dos cabos que ligam a bateria ao carregador podem estar invertidos

2. Carregador liga, mas não carrega

• A falta de uma das fases de alimentação de rede elétrica (quando o equipamento é trifásico)
• O mau contato no conector de saída
• Defeitos nas placas eletrônicas do equipamento.
• Defeito ou falta de bateria a ser carregada
• Disjuntor desarmado ou fusível rompido
• Carregador mal dimensionado

3. Carregador liga e queima fusível de Entrada/Saída

• A polaridade dos cabos que ligam na bateria ao carregador pode estar invertida, isto em carregadores que não possuem proteção contra inversão de polaridade;
• O transformador principal ou auxiliarem curto circuito;
• Tomada de energia elétrica com tensão superior a selecionada no transformador do carregador.

Abrir chat
Olá! podemos te ajudar?
Olá!
Podemos te ajudar?